Com nove reforços, diretoria começará a cobrar resultados de Kleina

Desde enquanto ainda era candidato à presidência do Palmeiras, Paulo Nobre se recusava até a cogitar demitir Gilson Kleina, pensamento mantido quando José Carlos Brunoro chegou como diretor executivo. Mas, três semanas depois, nove contratações foram acertadas. E a contrapartida do técnico passará a ser exigida de forma mais ríspida.

“O problema é que não tínhamos elenco, era muito pequeno. Mas agora chegaram jogadores, dá para o treinador trabalhar, montar o time. Tudo é diferente do que estava. Do grupo, tem que se formar equipe”, cobrou Brunoro, ciente de que faltava pouco antes do primeiro clássico da temporada, diante do Corinthians, neste domingo.

Embora o próprio dirigente até se recuse a usar o termo reforço para os recém-contratados Vilson, Weldinho, Marcelo Oliveira, Charles, Léo Gago, Ronny, Rondinelly, Leandro e Kleber, todos correspondem à meta traçada pela diretoria de montar um elenco capaz de subir na Série B do Brasileiro e garantir o Palmeiras fora da segunda divisão nacional no ano de seu centenário, em 2014. E Kleina sabe disso.

“Para quem não estava sendo aproveitado nas suas equipes, o Palmeiras está dando oportunidade. Potencial eles têm”, elogiou, ciente de que as negociações de Luan e Barcos não serão admitidas como desculpa. “Perdemos jogadores, mas conseguimos solucionar. Temos que procurar uma identidade. Se não tivermos de uma maneira, vamos trabalhar de outra, procurar a variação de jogo”, comentou.

Fonte: ESPN

Deixe um comentário