Codhab faz melhorias em casas de baixa renda

Verací dos Santos, de 42 anos, não segura a emoção toda vez que fala das mudanças pelas quais sua casa passou. O local foi ampliado, recebeu banheiro e cozinha novos e teve graves problemas de salubridade resolvidos.

“Minha vida era um tormento. Eu passava muito sufoco, sempre no aperto. Para alguém entrar na cozinha, o outro tinha que sair”, conta. Ela mora na Fercal há 27 anos e, durante todo esse tempo, viveu com o marido no espaço improvisado. O que Verací hoje caracteriza como a realização de um sonho faz parte de um dos eixos do Programa de Assistência Técnica em Arquitetura e Urbanismo, da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab). O trabalho foca na oferta de melhorias habitacionais a famílias de baixa renda.

A residência de Verací dos Santos, de 42 anos, foi ampliada e recebeu banheiro e cozinha novos e teve graves problemas de salubridade resolvidos. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

A dona de casa foi uma das primeiras a serem atendidas na região, onde 24 obras já estão concluídas e 22 aguardam para ter início em cerca de duas semanas. De acordo com ela, a família, que vive com cerca de R$ 500 por mês de programas sociais, não teria condições de arcar com os serviços, que ainda incluíram reparos nas redes elétrica e hidráulica.

Em todo o DF, desde 2015, 117 pessoas tiveram suas casas melhoradas, 47 residências estão em obras e outras 47 aguardam o início da reforma. O serviço custeado pela Codhab abrange o projeto, o material de construção e a obra.

 

 

Requisitos para ter acesso ao Programa de Assistência Técnica em Arquitetura e Urbanismo

O investimento em cada casa pode ser de até R$ 13,5 mil. Para ter acesso ao benefício, é preciso ter renda familiar de no máximo três salários mínimos, estar em área passível de regularização e morar há pelo menos cinco anos no DF. Idosos e pessoas com deficiência têm prioridade, além de locais onde a situação é mais alarmante.

Antes de ser habilitado para o eixo do programa, o interessado recebe a visita de um assistente social e de um arquiteto, que fazem um relatório sobre a situação do lugar. A idéia é corrigir problemas de insalubridade e insegurança.

A dona de casa Edilene de Jesus Pereira, de 30 anos, morava em uma área de risco no Trecho 3 do Sol Nascente e foi transferida para onde vive hoje, no Trecho 2, há dois anos. Ela tem três filhos — dois meninos e uma menina —, que dormem juntos em um cômodo apertado. “Eles dividem duas caminhas de solteiro, que é tudo o que cabe no quarto”, explica. O aperto deve ter fim em uma semana, quando serão encerradas as obras tocadas por meio do programa. A casa ganhará um novo quarto e um fosso de ventilação. A sala ficará maior, e o banheiro será adaptado.

As inscrições para a iniciativa são abertas na medida em que novos editais são lançados. As empresas que criam o projeto e avaliam a situação social das famílias são escolhidas por meio de licitação. Quem executa as obras são instituições cadastradas. Há uma fila e um rodízio entre elas. Em muitos casos, são contratados profissionais da própria comunidade para trabalhar. O atendimento de assistência técnica em arquitetura e urbanismo também faz parte do programa Habita Brasília. Para obter informações específicas de cada região, o morador pode entrar em contato com os postos da Codhab.

A casa de Edilene de Jesus Pereira, de 32 anos, vai receber, entre outras melhorias, um novo quarto e um fosso de ventilação. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Fonte:

Deixe um comentário