Cem anos de história

Trilogia de Ricardo Ferrer.

No primeiro livro “O Casarão Verde – paixão sem limites”, onde um recém-nascido faz a viagem do Titanic, costumes, cultura, política e fatos ligados aos personagens constituem o cerne do romance, de modo cru e objetivo. Sentimentos os mais diversos são uma constante, fazendo aflorar emoções fortes no leitor, que é envolvido pelo clima de suspense que perpassa toda a narrativa. Fatos ligados à música clássica, aos grandes compositores, aos ícones das canções populares da década de 1960, às mudanças comportamentais da juventude enriquecem o livro.

É lírico, denso e muito oportuno, segundo o escritor João Carlos Taveira. E contém, segundo o respeitado poeta, várias histórias dentro da mesma história, e uma visão ampla das questões socioculturais permeando o seu desenrolar, embora se trate de uma obra de ficção. Suspenses são uma constante no desenrolar da história, culminando em três grandes ações que aguçam a imaginação do leitor.

O autor das obras, Ricardo Ferrer

Uma organização criminosa impera nos detalhes que levam a ações intensas ao redor do mundo. Fria, insensível, move-se nas sombras, passando desapercebida, influindo em decisões cruciais para os governos dos países vitimados. Sua influência é tamanha que levou o autor ao segundo livro, de modo a desmistificá-la em suas ações nefastas.

No segundo livro, “O Dossiê de Umbrícola – a organização”, duas mulheres se esforçam ao redor do mundo para resguardar o dossiê de mãos inimagináveis. Serviços secretos de vários países buscam incessantemente encontrar o dossiê, de forma a destruí-lo. Contrapondo a essa força, a organização terrorista Al Qaeda busca, também incessantemente, encontrar o dossiê para divulgá-lo para o mundo, sabendo que seu conteúdo poderá desestabilizar os países que querem destruí-lo.

Caminhos diversos são percorridos, onde o lúdico, os mistérios e a luta se entremeiam. O final é surpreendente, pelas relações estabelecidas em fatos históricos reais de povos e de nações que anseiam por verdades e pelas ligações que projetam a vida para o imprevisível.   

No terceiro livro “A Herdeira – resgate de valores”, cem anos após o primeiro personagem ter feito a viagem do Titanic, a única personagem viva, uma jovem de 21 anos, fragilizada emocional e psicologicamente, busca na filosofia respostas do por que sua família tão brilhante culturalmente fora destruída por uma paixão sem limites. E, no Caminho de Compostela, tenta espiritualmente resgatar os valores de sua família.

Sem dúvida, os livros que compõem esta trilogia marcaram uma fase da literatura em que se poderia dar o nome de “romance atual”, pois o dia de hoje é fortemente conceituado na linha de tempo, com características da atualidade, em uma análise de relação de fatos e gentes que transitam num vai e vem e deixam um rastro na história de cada um que os lerem.

Deixe um comentário