Casamento coletivo reúne 130 casais homoafetivos no Rio

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro celebrou no domingo (8) “o maior casamento mundial coletivo de casais homossexuais”, no auditório da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj), segundo a organização do evento. A cerimônia contou com 130 casais homoafetivos, conforme os organizadores. A Justiça do Rio já havia promovido três cerimônias coletivas, só que de uniões estáveis de homossexuais.

“O sentimento é o de que toda a luta valeu a pena. É uma alegria muito grande porque a história é de muita perseguição e muito preconceito, com assassinatos de homossexuais e discriminação de todo tipo. E hoje ver essa cerimônia sendo realizada com esse tamanho mostra que muito se avançou. Ainda há muito a fazer contra o preconceito, mas estamos em um caminho de avanço”, comemorou o coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimeto, destacando que o casamento ocorreu no Dia Nacional da Família. “A família continua sendo o elo fundamental da sociedade. Estamos aqui para celebrar as famílias que se oficializam hoje”.
Segundo o coordenador do programa, 68% dos casais eram lésbicas, 31% de gays e uma transexual com o companheiro. Os noivos vieram de 14 cidades do estado, sendo a maior parte da capital. Entre esses, 86% das zonas norte e oeste. “Isso mostra que é um projeto que tem uma capilaridade social muito grande”, disse Claudio Nascimento. Mais da metade dos casais (66%) tinha renda de um a dois salários mínimos.
“Hoje, o Estado brasileiro não faz nenhuma diferenciação entre os casais heterossexuais e homossexuais. Em primeiro lugar, há a importância simbólica que é retirar esse lugar da diferenciação em que uns só têm direito à união estável. Em segundo lugar, o casamento dá o direito à mudança no nome, à garantia ao direito na partilha de bens e direitos sucessórios de forma mais consistente, entre outras coisas”.
A desembargadora Cristina Gaulia, que conduziu a saudação aos noivos, exaltou que a celebração mostra que a Justiça no Rio se modernizou. “Há poucos anos, alguns juízes nem recebiam esses casais e encaminhavam o pedido para a Vara Cível, onde era assinado um contrato de sociedade civil. Nem para a Vara de Família eram encaminhados”.
Fonte:

Deixe um comentário