Carta a uma amiga de Paris

Querida amiga Cecília. Que bom falar com você aí em Paris, onde faz doutorado em Economia, realiza sonho antigo, e caminha cada vez mais para ser forte defensora de um mundo melhor. Conheço-lhe o suficiente para saber que seu foco é a diminuição das desigualdades sociais, às quais teimam em se aprofundar, principalmente aqui em nosso País.

Como sabes, recentes dados do IBGE apontam que o disparate entre pobres e ricos é aviltante. Dos 55 milhões de pobres, 15 milhões estão em estado de extrema pobreza, pois vivem com menos de 140 reais mensais. Alguns chegam a ganhar míseros 89 reais.

Por essas plagas, negros e mulheres são abatidos como moscas, muito acima das guerras. Só em 2017 ocorreram 65 mil assassinatos de negros, média de 179 casos por dia. Nesse mesmo ano, foram registrados quase 5 mil assassinatos de mulheres, 13 por dia. O número de desempregados ultrapassa a casa dos 12 milhões. O crescimento do PIB é quase zero. Que carma é esse que carregamos, amiga?

Enquanto isso, o atual governo debate, entre outras, as seguintes questões: o nazismo era de esquerda, a terra é plana, a ditadura militar nunca existiu, Trump é a encarnação de Deus, os dados do desmatamento na Amazônia são “sensacionalistas” e mancham a imagem do Brasil lá afora.

Você deve ter visto, na mídia internacional, as imagens chocantes do corredor de fumaça que encobriu de cinzas 3 mil quilômetros na América do Sul. A maior floresta tropical da Terra arde. São Paulo ficou às escuras, sem a luz natural do dia! Fora isso (?) e outros fatos que nublam as nossas vidas, o Brasil ainda mantém-se de pé. É rico em diversidade. O povo anda desanimado, mas é trabalhador e esperançoso.

Como vai a vida por aí? Sei que estudas bastante. Já visitou os jardins de Monet, em Giverny, como querias? O namoro com Pierre vai bem? Fico feliz em saber que conheceu uma pessoa legal. Eu, particularmente, ando enfastiada com esse misto de notícias tristes e de perplexidade. Prefiro a literatura, onde me refugiei. Como dizia Nietzsche: “Temos a arte para que não morramos da verdade”.

Rogue a Notre Dame, a Nossa Senhora que enfrentou também as chamas. Peça que abrande a ira, a ganância, os interesses escusos e incendiários dos homens. Resistir é preciso! Abraços fraternos.

(*) Jornalista e escritora 

Deixe um comentário