Balde d’água

Depois de oferecer, pelo Facebook, R$ 100 a quem jogasse um balde d’água num repórter da Globo, o agente socioeducativo da Sejus, Marcos Aurélio Salles, pode perder o emprego, onde ganha R$ 6,1 mil. O Estatuto do Servidor Público do DF diz que poderá incorrer em “responsabilidade civil”, ficando sujeito a eventuais danos materiais decorrentes do seu ato, quem praticar algo que “resulte em prejuízo ao erário ou a terceiro”. Ele é (ou era) bolsonarista de carteirinha…

Deixe um comentário