Alunos na política de cotas

Pelo menos nove estudantes que concorrem ao vestibular de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) pelo sistema de cotas destinado a alunos de escolas públicas não deveriam estar na lista de cotistas. De acordo com denúncia recebida pelo Correio, esses candidatos não preenchem todos os pré-requisitos e deveriam ter prestado a prova no sistema universal. Os nomes constavam da relação de pedidos indeferidos na seleção feita no ano passado, mas foram incluídos este ano. Das 80 vagas oferecidas para o curso de medicina, 32 são reservadas a estudantes da rede pública do DF. As provas foram aplicadas em 19 e 20 de janeiro e a primeira chamada deve ser publicada em 19 de fevereiro no Diário Oficial do Distrito Federal.


Segundo o edital do certame, estão aptos a concorrer às vagas pelo sistema de cotas apenas candidatos que cumprirem as determinações da Lei Distrital nº 3.361, de 2004, que determina a reserva de 40% dos postos a alunos que comprovem ter cursado integralmente os ensinos fundamental e médio em escolas públicas do DF. Seis concorrentes aparecem na lista de pedidos indeferidos na seleção de 2012, alguns por estudarem em colégios de outras unidades da Federação e outros por terem cursado alguma série em instituições particulares. Em 2013, no entanto, os mesmos nomes aparecem na relação dos pedidos aceitos.


Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário