Alimentação na infância e saúde bucal

A promoção da saúde deve ser iniciada ainda na infância, principalmente a saúde bucal após a introdução alimentar. É nessa fase que se inicia a formação dos hábitos alimentares, que, consequentemente, influenciará a saúde imediata e futura da criança. A alimentação adequada também desempenha papel essencial na contribuição da formação da dentição.

A principal doença bucal acometida em crianças é a cárie dentária, comumente associada a uma má introdução alimentar. O desmame precoce do aleitamento materno, com a introdução de bebidas açucaradas desde muito cedo, associada à não higienização bucal adequada, favorecem o surgimento da cárie, além de perdas dentárias precoces.

A cárie que acomete bebês no primeiro ano de vida, também chamada de cárie severa da infância, é uma doença diretamente relacionada à utilização irrestrita de chupetas adoçadas, mamadeiras, e o hábito de adormecer consumindo bebidas adoçadas e/ou com sacarose.

A atenção odontológica precoce deve envolver orientações sobre a higiene bucal adequada. Crianças que usam medicamentos contendo sacarose por via oral podem desenvolver a doença caso não seja feita higiene bucal. Crianças com presença de defeitos de desenvolvimento no esmalte dentário também ficam mais vulneráveis.

Estudos que relacionam a junção da Nutrição com a Odontologia referente à saúde da criança abordam ainda que o desenvolvimento da cárie dentária com a transição alimentar pela qual a criança passa pode estar associada com o surgimento de outros problemas de saúde, como a obesidade. A obesidade e a cárie estão associadas aos hábitos alimentares inadequados.

Portanto, odontólogos e nutricionistas devem conscientizar os pais, e toda a população, sobre os efeitos imediatos dos hábitos alimentares inadequados durante a infância. Porém, somente o nutricionista é responsável por esse ajuste na alimentação, podendo auxiliar de forma eficaz sobre como manter hábitos alimentares saudáveis para diminuir os riscos de desenvolvimento de doenças.

 

(*) Texto elaborado pelas estudantes Bárbara Almeida, Jamile Braz, Juliana Almeida e Rhaylane Gomes, da Universidade Católica de Brasília

Deixe um comentário