Alerta de tempestade em São Paulo, Minas e Rio nas próximas 48 horas

Ruas de Itajubá ficaram inundadas pela tromba d´água que caiu na terça-feira. Foto: Luciano Lopes

Os três estados mais populosos do Brasil vão sofrer com tempestades nas próximas 48 horas, segundo previsão da meteorologia. São Paulo, o sul de Minas Gerais e o sul do Rio de Janeiro estão em alerta para chuva intensa e volumosa.  

Nesta quinta (26) e sexta-feira (27) são esperados volumes elevados, que poderão ultrapassar 100mm (100 litros por metro quadrado) em São Paulo e no sul de Minas. O acumulado no sul do Rio será um pouco menor, mas a preocupação com a chuva forte também existe. Os córregos  estão no limite. Com isso, é alto o risco de novos transbordamentos de rios, áreas inundadas e alagadas. 

Em Itajubá (MG), uma tromba d´água provocou  transtornos e prejuízos na terça-feira (24).  O Ribeirão José Pereira, que corta o bairro BPS e parte do Centro da cidade, transbordou. Casas ficaram alagadas e em alguns locais a água passava da altura da cintura. Assista ao vídeo do repórter Luciano Lopes.

Na região central, comerciantes tiveram de correr para evitar prejuízos maiores. Em uma rua do município, um poste cedeu com a abertura de um buraco e bloqueou o trânsito no local. O campo de futebol do Clube Itajubense também ficou debaixo d’água. Segundo a Polícia Militar, os policiais socorreram ao menos 12 pessoas que ficaram ilhadas.

Na zona rural a chuva caiu forte na Serra dos Toledos e alagou várias áreas. Donos de sítios tiveram prejuízos, casas foram atingidas e pontes danificadas. A Defesa Civil foi acionada para ajudar os moradores. Segundo o Corpo de Bombeiros, apesar do prejuízo ninguém ficou ferido.

Providências – O prefeito Rodrigo Riera (PMDB) que uma chuva muito forte (tromba d’água), em volume jamais visto na região, caiu no bairro da Peroba e Serra dos Toledos, onde há uma serra que tem uma calha muito grande.

“Houve estrago, principalmente, desses bairros rurais, onde perdemos algumas pontes rurais e alguns muros caíram, assim como muitas árvores. Essa água acabou atingindo o bairro BPS e o Centro da cidade, mas os prejuízos foram minimizados graças ao monitoramento feito pela Defesa Civil. “Conseguimos avisar a população cerca de duas horas antes para que pudessem retirar seus carros, objetos e assim, ajudarmos a população”, explicou o prefeito.

A prefeitura informou que está monitorando o Rio Sapucaí e os ribeirões que atravessam o município e as informações oficiais sobre possíveis alagamentos serão divulgadas no site.  Além disso, estão sendo feitas ações emergenciais de limpeza, com a retirada de lama e entulho das ruas dos bairros BPS, Pinheirinho e centro da cidade.  

Galhos e troncos de árvores foram recolhidos do Ribeirão José Pereira, que corta o bairro BPS e Pinheirinho. Caminhões-pipa estão limpando as ruas que foram inundadas. No bairro Santa Rosa, o poste que caiu foi substituído. Na Serra dos Toledos foram retiradas barreiras, galhos e árvores que caíram na estrada do bairro. 

Já em São Paulo, nos últimos 74 anos, o volume de chuva é o quinto maior para o mês de janeiro, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A precipitação foi 424,2 milímetros (mm) nos primeiros 23 dias. O último recorde para o mês foi em 2011, quando choveu 493,7 mm.