Afinal, o mundo não acabou!

 

Tudo começou quando o tablóide inglês Daily Mail publicou, no final de janeiro, que no dia 16 de fevereiro de 2017 um enorme asteróide atingiria a  Terra, provocando tsunamis, resultando no fim do mundo(*).  A preocupante notícia se baseava na entrevista exclusiva do astrônomo russo Dyomin Zakharovitch. Como estou iniciando esta crônica na sexta-feira, 17, as pessoas que se encagaçaram na ocasião estão aliviadas: afinal, o mundo não acabou!

Aliás, não foi a primeira vez que o anúncio do fim do mundo provocou pânico. Em 1806, moradores da cidade inglesa de Leeds acreditavam, piamente, que uma determinada galinha botava ovos com a inscrição “Crist is coming” (Cristo está chegando). Finalmente, o dito fenômeno foi descoberto por um curioso: era mentira!

Em 1835, o cidadão norte-americano Joseph Smith, fundador da religião Mormon, garantiu que Deus havia dito a ele que Jesus retornaria 56 anos depois, ou seja, em 1891. Alegria geral pela balela!

Naquela mesma década, em 1843, o também americano William Miller, fundador da religião Adventista, afirmou que a data escolhida por Deus para o fim do mundo seria entre 21 de março daquele ano e 21 de março de 1844. Diante da figura venerável de Miller, milhares de adventistas foram aguardar Jesus nas montanhas. Esperaram em vão!

Anos seguidos, desde a versão também falha do respeitável profeta Nostradamus, proferida em 1999, inúmeros blefes ocorreriam, inclusive no ano 2000, quando vários profetas comentaram que a humanidade seria devastada por uma sequência de desastres naturais, devido à mudança do milênio.

Diante de tantos diagnósticos equivocados sobre o Apocalipse, o Papa Francisco, indiretamente, confirmou que isso acontecerá, mas não disse quando e nem como. Se limitou a explicar que os cristãos não devem se preocupar. Mas advertiu: “Se preparem para o Encontro com Jesus Cristo!”

Resta saber se esse Encontro será antes ou depois de nossa inadiável viagem para o Oriente Eterno!

(*) De certa forma, a “barriga” (notícia falsa) do tablóide britânico não foi de todo despropositada. Os astrônomos da NASA informaram recentemente que um asteróide passará perto da Terra, no próximo 25 de fevereiro. Porém, “sem qualquer perigo para os humanos”. A órbita do gigantesco meteoro ficará a 51 milhões de quilômetros de distância de nosso planetóide.

Fonte:

Deixe um comentário