Abuso de criança: carma gravíssimo

Carma é o resultado das nossas ações. Boas ações geram bom carma; más ações geram mau carma. Tudo é plantação e colheita desta e de outras vidas. Pelos resultados de nossas ações nos diferenciamos uns dos outros.

“Não há injustiça em nenhum lugar do universo”. O que nós fazemos, automaticamente, fica gravado em nossa mente, exigindo reparação, seja de forma consciente ou inconsciente. Assim é que os grandes benfeitores da humanidade, em geral, estão apenas reparando erros cometidos noutras vidas, até que possam libertar-se e agir como verdadeiros missionários.

Prevendo o que seria banalizado no futuro, Jesus advertiu: “e, se alguém escandalizar um destes pequeninos, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço”.

Semana passada, foi preso um pedófilo com milhares de vídeos de abusos de crianças. Quem comete tal crime, saiba que, em algum momento, as imagens voltarão como flash-back até a loucura instalar-se, se não reparar o mal feito.

A justiça divina, implantada em nossa mente, cobra reparação. Quanto maior a inocência, maior a culpa e maior o sofrimento. Quem sente impulsos para este crime e ainda não o cometeu, trate-se imediatamente. Quem já o cometeu, pare imediatamente e torne-se instrumento de prevenção para que outros não o cometam. Quem sofreu abuso, trate-se, para que as lembranças não atrapalhem o cumprimento de sua programação existencial.

Louise Ray, escritora americana abusada na infância, após muito sofrimento passou a escrever e andar pelo mundo, ajudando pessoas abusadas a superar este grave trauma. No seu livro “Ame-se e cure sua vida”, ela ensina técnicas de libertação. Não importa o trauma. Supere-o, e ajude outros a superar. Viver é topar em pedras e retirá-las para que outros não topem.

Deixe um comentário