Renan Calheiros vira “senadorzeco” nas redes sociais

Mesa do Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária presideda pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente da Casa. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado
Senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente da Casa. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

A prisão do chefe da Polícia Legislativa, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, na sexta-feira (21) – ele foi liberado na quarta-feira (26) – desestabilizou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Irritado com a ação da Polícia Federal na Operação Métis, Renan chamou uma coletiva na segunda-feira (24) e esbravejou:

            “Um juizeco de primeira instância não pode a qualquer momento atentar contra um Poder. É lamentável que isso aconteça em um espetáculo com a participação de um ministro do governo [referência ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes], que não tem se comportado como ministro e sim como polícia”.

            Na terça (25), ao abrir a sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, foi direto ao ponto:

            “O que não é admissível aqui, fora dos autos, é que qualquer juiz seja diminuído ou desmoralizado”. E completou: “Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes é agredido. E não há a menor necessidade de, numa convivência democrática, livre e harmônica, haver qualquer tipo de questionamento que não seja nos estreitos limites da constitucionalidade e da legalidade”.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Na esteira da fala de Carmen Lúcia, os magistrados manifestaram apoio ao juiz da 10ª Vara Federal do DF, Vallisney de Souza Oliveira, que autorizou a ação da PF contra a Polícia Legislativa. Diante da reação da ministra, Renan anunciou que vai entrar com ação na Justiça para fixar competências dos Poderes.

            Enquanto isso no plenário, senadores repudiavam  a invasão e destacavam que nem na ditadura houve ação como essa.  

Para evitar uma crise, Micher Temer reuniu, nesta sexta-feira (28), os presidentes do Senado e do Supremo e o ministro da Justiça, no lançamento do Plano Nacional pela Segurança Pública, quando Renan se desculpou com Cármen Lúcia.

            Na terça, Renan havia convidado Carmen Lúcia para uma conversa. A ministra declinou do convite, o que rendeu, pelas redes sociais, ironias contra o presidente do Senado, que passou a ser chamado de “senadorzeco”.

} else {

Fonte:

Deixe um comentário