Propriedades funcionais da linhaça

A linhaça é a semente do linho (Linum usitissimum), e é uma grande fonte de ácidos graxos ômega 3. Apresenta em sua composição química cerca de 40% de lipídeos, dos quais aproximadamente 57% são ômega 3. Apresenta ainda 28% de proteínas e 28% de carboidratos não digeríveis, ou seja, fibras alimentares, sendo a maior parte, fibras insolúveis (75%). A linhaça é rica em vitamina E, importante antioxidante, e vitaminas do complexo B, além de apresentar fósforo, potássio, ferro, zinco e manganês.
A linhaça é também uma das principais fontes de lignanas, que são substâncias fenólicas, não calóricas, presentes nas plantas e que conseguem se ligar aos receptores de estrógeno nas células. O estrógeno é um hormônio com função proliferativa e que, em altas quantidades, aumenta o risco de certos tipos de câncer, como o de mama. Quando as lignanas se ligam a estes receptores o próprio hormônio pode ser impossibilitado de exercer seus efeitos. Alguns estudos mostram que quanto maiores são as concentrações plasmáticas de lignanas, menor é o risco de desenvolvimento de câncer e, em indivíduos já portadores da doença, menor é a mortalidade.

Por consequência da sua composição nutricional, a linhaça é estudada como uma aliada na redução do risco de doenças crônicas não transmissíveis, e alguns trabalhos já mostraram que o consumo regular de linhaça está associado a redução nos níveis de colesterol sanguíneo, efeitos anticancerígenos, antioxidantes, hipoglicêmicos, redutores de inflamação e laxativos.

Por Caroline Romeiro

Nutrição e Saúde

Deixe um comentário