Presidente de Associação de Praças da PM acusa oficiais de buscarem apenas o enriquecimento

João de Deus diz que os superiores não se interessam em ter apenas uma entidade representativa para todos

Foto: arquivo

O presidente da Associação de Praças da Polícia Militar do DF (Aspra),  sargento reformado João de Deus, acusa os oficiais da corporação de apenas e tão-somente estar em busca de “se locupletarem” (enriquecer-se), sem se preocuparem com a categoria a que pertencem. Ele fez as acusações em entrevista ao Brasília Capital nesta terça-feira (21), quando foi procurado para comentar a redução de mais ou menos 15% na Gratificação de Função de Natureza Especial para os oficiais.  A Associação dos Oficiais (ASOF) divulgou nota de protesto com o título “Descaso com os oficiais”.

João de Deus diz que os oficiais não têm interesse na existência de apenas uma entidade representando todos os policiais militares porque “eles se locupletam. Ganham dinheiro sendo requisitados pelo Executivo, Judiciário e Legislativo”. De acordo com ele, essas requisições geram aos oficiais o dinheiro extra que os fazem se sentirem melhores do que o restante da Polícia Militar.

Prefeito

O presidente da ASOF, coronel Rogério Leão, em tom de ironia, responde: “Não vou dar consideração a terceiros, um ex-prefeito de uma cidade do interior”. É referência à carreira de João de Deus, que foi prefeito de Água Fria de Goiás, até final do ano passado.  O coronel Leão também assegura que o sargento, por causa do tempo fora do DF, desconhece as atuais questões relacionadas à segurança da capital da República.

Sobre representatividade dos PMs, mais ironia. Diz que os oficiais têm mais autenticidade porque só há uma associação, enquanto “os praças têm 17. E a dos oficiais tem eleição de dois em dois anos. A dos praças tem eternos presidentes”, noutra referência a João de Deus. E encerra: “Minha disputa é com o GDF”.

 

Da Redação

Deixe um comentário