MP entra com ação para que Codhab faça lista única para o Morar Bem

Prédio do residencial Paranoá Parque, no Distrito Federal (Foto: Dênio Simões/GDF)
Prédio do residencial Paranoá Parque, no Distrito Federal (Foto: Dênio Simões/GDF)

 

O Ministério Público do Distrito Federal entrou com ação na Justiça para pedir que a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) estabeleça uma lista única de candidatos a programas habitacionais. De acordo com o MP, a medida pode dar mais transparência e isonomia às ações do governo. A Codhab não se manifestou até a publicação desta reportagem.

No mês passado, 17 pessoas foram presas em uma operação contra a venda de vagas na lista da Codhab. Hoje, candidatos podem participar de pelo menos três listas – a primeira agrupa aqueles que se inscrevem individualmente, a segunda, é elaborada por cooperativas habitacionais e a terceira reúne idosos, deficientes e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A divisão “provoca distorções na concessão das moradias, o que beneficia de forma injustificada algumas categorias de candidatos”, diz o Ministério Público.

Uma análise da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público verificou “desproporções” no sistema. Uma pessoa com renda até R$ 1,6 mil “ganharia” 45.744 posições se fosse indicado por uma entidade, em comparação àquela que pleiteasse uma vaga sozinho.

Existem 110 mil candidatos na relação de inscritos individuais e 31 mil na relação de inscritos por cooperativas. Para o MP, o interessado que se filia a uma entidade tem chance maior de ser contemplado, apesar de ter pontuação menor.

Entidades investigadas
Em junho, a Polícia Civil prendeu 17 pessoas, incluindo um assessor do senador Hélio José (PMDB-DF), suspeitas de facilitar a aquisição de casas e terrenos “sem fila e burocracia”. A operação ganhou o nome de Lote Fácil. Os interessados pagavam até R$ 15 mil para conseguir um imóvel sem ter de esperar na fila.

De acordo com o chefe da Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor, à Ordem Tributária e a Fraudes (Corf), Jeferson Lisboa, os suspeitos forneciam documentos falsos para a compra das habitações, como declaração de renda e comprovante de endereço, e operavam em todas a regiões do DF. Eles vão ser indiciados por crimes como estelionato, uso de documento falso, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo Lisboa, uma única sala comercial no setor hoteleiro do centro de Taguatinga alojava seis cooperativas, em que uma pessoa trabalhava como secretária e responsável pelas entidades no local.

“Trata-se provavelmente de mais um esquema para burlar a lei. Estamos investigando a possibilidade de uma única pessoa administrar todas essas seis cooperativas. Já estamos com uma pessoa suspeita de envolvimento presa e vamos continuar com a investigação”, disse Lisboa.

O secretário de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal, Thiago de Andrade  (Foto: Ozimpio Sousa/Agência Brasília)
O secretário de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal, Thiago de Andrade (Foto: Ozimpio Sousa/Agência Brasília)

Risco de perder imóvel
Ao G1, o secretário de Habitação do Distrito Federal, Thiago de Andrade, afirmou que as pessoas que pagaram para “furar a fila” do programa habitacional Morar Bem perderão os imóveis e as cooperativas envolvidas em irregularidades serão excluídas do cadastro da Codhab.

Atualmente, segundo o GDF, existem 160 mil pessoas na lista da Codhab à espera do benefício. O déficit habitacional é estimado em até 120 mil imóveis.

“Cadastrados que possuem renda média acabam ficando de fora dessa conta, mesmo estando inscritas na Codhab. Elas possuem até 12 salários mínimos, e a preferência são aquelas de renda baixa”, afirma o secretário.

Os dois grupos com menor renda são das faixas um (azul) e dois (verde), com rendas que vão até R$ 1,6 mil e de R$ 1.601 a R$ 3.275, respectivamente.

 


Manifestantes de movimento social invadem sede do Incra, em Brasília

Projeto Cão-Guia abre as portas no DF: veja como funciona o treinamento

Fonte:

Deixe um comentário