Meteorologia do Inpe ganha novas funções

O CCATT-BRAMS, sistema de modelagem ambiental e integrada do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCTI), passa a contar com o ciclo de carbono e outros ciclos biogeoquímicos entre suas funcionalidades.

As novas variáveis foram incluídas após a defesa da tese de doutorado de Demerval Moreira pelo programa de pós-graduação em meteorologia do Inpe. O desenvolvimento da tese resultou em um novo sistema que representa o estado-da-arte em modelagem regional da atmosfera incluindo processos químicos, aerossóis e ciclos biogeoquímicos totalmente acoplados.

Saiba mais

Dentre vários aspectos originais desenvolvidos por Demerval Moreira destacam-se a inclusão de aerossóis de queimadas na previsão de tempo, promovendo um substancial ganho de desempenho na previsão de temperatura próxima a superfície; a correta simulação do ciclo diurno da convecção continental, o que não é conseguido pelos modelos climáticos; situações de extrema presença de fumaça de queimadas alteram substancialmente os processos biofisiológicos; entre outros.

Fluxos de gases contendo carbono, além de energia, momento e água, são simulados por meio do modelo de superfície Joint UK Land Environment Simulator (Jules) acoplado ao CCATT-BRAMS. A colaboração com pesquisadores ingleses no âmbito do projeto Amazonica/NERC (Natural Environment Research Council, ou Conselho de Pesquisa sobre o Meio Ambiente, na sigla em inglês) deu origem ao sistema Jules-CCATT-BRAMS.

O esquema Jules propiciou também expressivo ganho de desempenho na previsão de tempo com o modelo BRAMS, sendo usado operacionalmente já há um ano no CPTEC/INPE para previsão de tempo em escala quase-convectiva.

A nova versão do BRAMS (v 5.0) com os sub-modelos JULES e CCATT (química e aerossóis) será lançada e distribuída livremente para a comunidade científica em julho de 2014.

 

 

Fonte:

Deixe um comentário