Mediação de conflitos

Policiais e líderes de movimentos sociais participarão, nos dias 16 e 17 de setembro, no Centro Cultural de Brasília, de minicursos voltados à mediação de conflitos, instrução que faz parte da programação do “1º Seminário Distrital de Mediação de Conflitos” e que oferece 200 vagas.

“Os conflitos são naturais na sociedade, mas a solução deve vir sempre de forma pacífica. É orientação do governador que os problemas sejam resolvidos sempre por meio do diálogo e o objetivo desse seminário é difundir cada vez mais essa ideia”, frisou o secretário de Governo, Gustavo Ponce de Leon.

O seminário contará com a presença de especialistas, gestores, juristas e representantes da sociedade civil e é aberto à população, porém, mediante inscrição que pode ser feita pela internet ou presencialmente, no dia do evento.

EXPERIÊNCIA – O uso de negociação e do diálogo têm sido prioritário no GDF. Entre as experiências de sucesso de diálogos de grupos da sociedade civil e representantes do Estado, viabilizadas pelo GDF, destacam-se o “Grupo de Trabalho do Lago Paranoá” (GT do Lago) e o “Fórum de Reforma Agrária”.

Com o “GT do Lago”, a preocupação foi definir o uso ordenado do Lago Paranoá, com o objetivo de garantir a segurança da população que o utiliza. Após audiências e consultas públicas, com a participação de usuários, integrantes da sociedade e do governo, foi elaborada a minuta de projeto de lei, já encaminhada à Câmara Legislativa, que vai regulamentar o uso racional e seguro do local.

O “Fórum de Reforma Agrária”, por sua vez, foi criado em maio de 2012 e conseguiu aproximar os diversos órgãos e a população agrária, e regulamentar a Lei 1.572/97 que criou, no âmbito distrital, o “Conselho de Política de Assentamentos Rurais” e o “Programa de Assentamento de Trabalhadores Rurais”.

Fonte:

Deixe um comentário