Líder do PMDB vira réu por uso de documento falso

Eduardo Cunha

Para Corte, há indícios de que Cunha sabia que documentos entregue ao TC-RJ eram falsos (Ag. Câmara)
O Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta quinta-feira denúncia contra o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ), pelo crime de uso de documento falso. A corte considerou haver indícios de que o parlamentar sabia da existência de assinaturas falsas em quatro documentos apresentados por ele ao Tribunal de Contas do Rio de Janeiro em 2002. Na época, Cunha pretendia se livrar de suspeitas de irregularidades na Companhia de Habitação do Estado do Rio de Janeiro (Cehab), que foi presidida por ele. 
O relator, Gilmar Mendes, aceitou a denúncia e foi acompanhado pelos ministros Marco Aurélio Mello, Cármen Lúcia e Joaquim Barbosa. Luiz Fux, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski foram voto vencido. As investigações constataram que eram falsas as assinaturas de três promotores e um procurador, incluídas nas certidões. Apontado como responsável pela falsificação, Élio Fischberg, então 2º subprocurador-geral de Justiça do Rio, já foi condenado.
Fonte: Veja Online
Extratos dos Jornais

Deixe um comentário