GDF fecha Esplanada pelo 2º dia para fase final do impeachment de Dilma

 
 
Esplanada dos Ministérios esvaziada na hora do almoço nesta segunda-feira (29) durante defesa da presidente Dilma Rousseff contra o impeachment (Foto: Alexandre Bastos/G1)
Esplanada dos Ministérios esvaziada na hora do almoço nesta segunda-feira (29) durante defesa da presidente Dilma Rousseff contra o impeachment (Foto: Alexandre Bastos/G1)

 

As vias N1 e S1 do Eixo Monumental seguem interditadas nesta terça-feira (29), no trecho entre a rodoviária do Plano Piloto e o Congresso Nacional, durante a sessão que decide o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado. Ao longo do dia, haverá debate entre advogados e discursos de senadores.

As interdições começaram à 0h. Às 6h40, o bloqueio ainda não causava reflexos no trânsito. Na segunda (28), quando as interdições também foram aplicadas, motoristas chegaram a enfrentar fila de até cinco quilômetros de extensão na via S1. Servidores que trabalham na região da Esplanada tiveram de deixar os carros nos anexos para acessar aa região.

A expectativa do governo do Distrito Federal é de que o bloqueio aconteça até o final do processo de impeachment. O GDF espera que um público entre 20 mil e 30 mil pessoas esteja no local durante o processo.

“A todo instante nós estaremos monitorando a real possibilidade de manter esse trânsito interditado, visando sempre a garantia da incolumidade das pessoas que estarão nesse local. Contudo, o nosso planejamento é para que a N1 e a S1 permaneçam interditadas até o final do processo de impeachment, que esperamos que acabe na madrugada de 30 para 31 [de agosto]”, afirma o secretário-adjunto de Segurança do DF, Márcio Pereira da Silva para a Rádio Senado.

Trânsito congestionado no Eixo Monumental por causa dos bloqueios na via devido ao julgamento do impeachment (Foto: TV Globo/Reprodução)
Trânsito congestionado no Eixo Monumental por causa dos bloqueios na via devido ao julgamento do impeachment na segunda-feira (29) (Foto: TV Globo/Reprodução)

O governo do DF não instalou telões para o público, a exemplo do que aconteceu nas votações do primeiro semestre. O muro deve ser desmontado em até 48 horas após o fim do julgamento.

 

Efetivo
O efetivo empregado na segurança da cidade será de 1.332 policiais na terça-feira. Caso o julgamento se estenda até quarta (31), o mesmo efetivo de 1.332 policiais será utilizado. No dia posterior ao término do processo, 290 militares ainda farão a segurança da Esplanada dos Ministérios.

Além da Polícia Militar, um efetivo de cem bombeiros e cem agentes de trânsito será  empregados todos os dias. A 5ª Delegacia de Polícia, que cuida da área central, também terá reforço.

“Tenho plena confiança na capacidade investigativa da Policia Civil. Em nenhum momento deixamos de contar com a Polícia Civil, tivemos todos os procedimentos assegurados. Brasília continua segura como sempre foi”, disse. A categoria está em operação-padrão por salários melhores – nesta quarta, chefes de seção entregaram cartas de exoneração ao governo.

Grupos separados
A disposição dos manifestantes na Esplanada dos Ministérios é a mesma utilizada durante a votação da Câmara dos Deputados, que ocorreu no dia 17 de abril. O grupo a favor do impedimento definitivo de Dilma fica no lado da cúpula do Senado (do lado norte da Esplanada dos Ministérios); o contrário, fica do lado da Câmara dos Deputados (lado sul). A divisão dos manifestantes é feita a partir da rodoviária do Plano Piloto.

 

Mapa mostra divisão de grupos contra e favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff durante votação do processo (Foto: Secretaria de Segurança Pública do DF/Divulgação)
Mapa mostra divisão de grupos contra e favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff durante votação do processo (Foto: Secretaria de Segurança Pública do DF/Divulgação)

 

De acordo com a secretária de Segurança Pública, Márcia de Alencar, a retomada da utilização do “muro do impeachment” é para garantir a “livre manifestação com a preservação das pessoas e do patrimônio”.

Segundo o secretário-adjunto, Márcio Pereira da Silva, está combinado com os movimentos pró e contra o impeachment que ao final do julgamento o grupo “derrotado” deve se retirar da Esplanada.

Os manifestantes que forem até as proximidades do Congresso Nacional estão sujeitos a revistas da Polícia Militar. Estão proibidos paus de selfie, bastões, mastros de bandeiras, máscaras, bolas de gude e qualquer outro material que pode ser usados em ações agressivas.

"Muro do impeachment", como ficou conhecida a separação por grades na Esplanada dos Ministérios, voltou a ser erguida para o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Roussef (Foto: Mateus Vidigal/G1)
“Muro do impeachment”, como ficou conhecida a separação por grades na Esplanada dos Ministérios, voltou a ser erguida para o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Roussef (Foto: Mateus Vidigal/G1)

Muro
O governo do Distrito Federal reergueu o “muro” montado na Esplanada dos Ministérios para dividir manifestantes favoráveis e contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. A A reconstrução da estrutura teve início na última segunda-feira (22).

As grades de segurança não foram necessárias na última fase de votação do relatório da comissão especial, que ocorreu no Plenário do Senado no último dia 9, quando um público muito aquém do esperado pelo governo compareceu às proximidades do Congresso Nacional.

Naquele momento, a pasta estimava que 5 mil pessoas fossem à Esplanada. Apenas um grupo de 50 manifestantes favoráveis ao impeachment protestou ao lado da cúpula do Senado na ocasião.O muro foi utilizado pela primeira vez no dia 17 de abril, quando a votação para o processo do impeachment de Dilma ocorreu na Câmara dos Deputados.

 

Grades de metal isolam o perímetro do Congresso Nacional; manifestantes não poderão se aproximar no edifício pelo gramado (Foto: Mateus Vidigal/G1)
Grades de metal isolam o perímetro do Congresso Nacional (Foto: Mateus Vidigal/G1)

Fonte:

Deixe um comentário