Ferrovia mineira nos trilhos

Ferrovia com mais de 100 anos será restaurada em Sacramento-MG, com apoio do governo Federal e da OSCIP Centroeste Vida Verde

 

Uma das mais importantes ferrovias do Brasíl, Ferrovia do Cipó, localizada em Sacramento-MG, município mineiro distante 80 km de Uberaba, será restaurada após 34 anos desativada, através de convênio firmado entre a prefeitura da cidade e a OSCIP – Centroeste Vida Verde. As obras terão início no mês de novembro e os recursos financeiros virão dos Governos Federal e Estadual, em parceria com a iniciativa privada.

O acordo foi firmado no início deste mês na cidade de Sacramento pelo prefeito Bruno Cordeiro (PSD-MG) e o presidente da entidade Centroeste Vida Verde, o jornalista João Carlos Bertolucci, determinando a criação dos projetos de pesquisa histórica, arquitetura e engenharia, que serão apresentados em setembro ao Comitê Gestor da Ferrovia do Cipó, presidida pelo vereador e presidente da Câmara Municipal da cidade, José Maria Sobrinho.

A restauração será gerenciada pela Centroeste Vida Verde e as obras serão executadas pela arquiteta e urbanista Ana Mazêto e pelo designer e administrador de obras Carlos Donizete, da empresa mineira de engenharia e arquitetura Kasacon. Com a restauração pronta nos próximos dois anos, será criado o Complexo Turístico e Cultural Ferrovia do Cipó, destinando espaços para os setores gastronômico, turístico, náutico, hoteleiro, cultural e de lazer. O investimento será totalmente feito pelo Governo Federal em parceria com o Governo do Estado de Minas Gerais com o apoio da iniciativa privada, através das leis de incentivo à cultura. De acordo com o prefeito Bruno Cordeiro, a restauração da ferrovia do Cipó é a prova de que seu governo tem apreço pelos bens históricos que compõem a riqueza cultural do município de Sacramento. “Neste momento estamos dando início a um dos mais importantes projeto de resgate à cultura do nosso município. A Ferrovia do Cipó teve uma relevante importância para o desenvolvimento dessa região e era a única no Brasil que tinha uma linda de bonde no seu conjunto ferroviário”, afirma.

Os custos da restauração da obras está previsto em R$ 4 milhões e serão disponibilizados conforme o cronograma estabelecido no cronograma da obra.

 

Por João Carlos Bertolucci

Deixe um comentário