Desafios da TI

Globo sendo empurrado

Após a apresentação de uma softwarehouse, fui indagado sobre o que tinha achado do seu produto. Parecia muito bom (embora no Power Point tudo funcione, ainda mais se apresentado por um vendedor), mas refleti um pouco antes de responder.

Minha conclusão foi: se eu fosse um bilionário russo daqueles que acordam e resolvem comprar um time de futebol e fundar um banco, o produto cairia como uma luva.

No entanto, para o ambiente tecnológico do meu Banco, pelo seu tamanho, complexidade, centenas de sistemas interligados, diversas plataformas, não seria um bom negócio. E ainda tem o processo. Ah, o processo…

Já falei sobre o assunto anteriormente, mas se vamos comprar um produto que implemente uma commodity, algo já maduro no mercado, precisamos ponderar se vamos incorporar também o processo, o que normalmente é uma boa idéia, mas nem sempre. Caso positivo, mesmo assim, sempre se faz necessário algum tipo de integração com o legado.

Mas se, por algum motivo – que muitas vezes está relacionado à cultura da organização ou a processos inter-relacionados – pretendermos manter do mesmo jeito o que já vínhamos fazendo, é possível que a solução requeira tantas customizações que acabe não valendo à pena sua aquisição.

Uma outra constatação: quanto mais maduro é o ambiente de TI de uma empresa – o que certamente é o caso dos grandes instituições financeiras do Brasil – mais complexa pode ser a integração. Afinal, bases corporativas, desacoplamento, não-redundância e outros conceitos tornam mais robusto e seguro o ambiente, mas por vezes podem ser um overhead no momento de conectá-lo a novas soluções.

Essa problemática faz com que o esforço de desenvolvimento “nativo” – pelo insourcing ou pelo outsourcing – das empresas seja sempre volumoso e pesado. Mas precisamos perseguir obstinadamente as melhores alternativas, que geralmente são também as mais simples, de forma a não tornar a TI algo inadministrável.

Hoje, a Tecnologia é reconhecida por todas as grandes corporações como apoiadora e mesmo alavancadora de soluções de negócio, mas a cada dia surgem novos desafios a serem superados.

A preocupação com eficiência operacional, com a priorização de demandas, com os processos (que não devem ser um fim em si mesmo, e sim viabilizadores das entregas) e com a gestão do conhecimento, deve ser constante.

Acredito que teremos avançado mais um degrau de maturidade quando nossos produtos de TI tiverem um certo padrão, independente de sua origem, seja make by desenvolvimento interno, make by terceiros ou simplesmente buy.

Na empresa em que trabalho, especificamente, o desenvolvimento interno, fundamentalmente, é o que nos fez chegar no grau de maturidade atual. A força e competência do nosso pessoal, o maior patrimônio da TI, foi e sempre será imprescindível. O outsourcing também é importante em todas as grandes organizações, essencialmente para que possamos gerir os vales e picos de demandas (quase sempre picos).

Costumo dizer que a maior qualidade do ser humano é a capacidade de reconhecer suas deficiências, pois somente a partir daí conseguimos atuar para superá-las.

Acredito que isso funcione também com as empresas, para fazer frente aos imensos desafios do mundo atual.

Deixe um comentário