Conservação e ‘economia verde’ são legados de Mendes

Vinte e cinco anos após a morte de Chico Mendes, seus herdeiros no Acre destacam a preservação da mata nativa como um avanço positivo no Estado, que aposta em políticas “verdes” para manter vivo o legado do líder seringueiro.

Mas a preservação ocorreu de forma desigual no Acre. A região da cidade de Xapuri, onde Chico Mendes lutou contra a entrada do agronegócio, é atualmente a que mostra o maior impacto do avanço na criação de gado e plantio de grãos no Estado.

A Reserva Extrativista Chico Mendes, com seus quase um milhão de hectares, é uma das última áreas de floresta mantida em pé na região.

De Rio Branco a Assis Brasil, na fronteira com Peru e Bolívia, quem trafega pela BR-317 se depara com fazendas a perder de vista. Desde metade dos anos 2000, a cana-de-açúcar passou a se fazer presente na região do Alto Acre, no sul do Estado, composta por cinco municípios. É nela onde se concentram 70% da floresta desmatada do Estado.

Indo para o outro lado do Acre, na parte mais ocidental da Amazônia brasileira, o impacto do agronegócio é bem menor.

O isolamento de quase 40 anos da região por conta da estrada sem pavimentação é apontado como uma das razões para a baixa ação humana. É nela onde se concentram 88% da cobertura florestal acriana.

Educação

Para Ângela Mendes, filha de Chico Mendes, a luta do líder seringueiro contra a destruição da floresta é um dos principais motivos para o Estado ainda contar com uma ampla floresta intacta.

“Graças ao empenho de meu pai de chamar a atenção do mundo para o que acontecia na Amazônia, o Acre tem 46% de seu território protegido por unidades de conservação”, comenta ela. “Saltamos dos maiores desmatadores do Brasil para sermos, 25 anos depois, o menor”, compara.

Entre florestas públicas, parques, reservas e terras indígenas, o Estado possui 16 milhões de hectares como áreas naturais protegidas.

Para evitar mais desmatamento e o avanço do agronegócio, o Acre iniciou, em 1999, no governo de Jorge Viana (PT), uma política econômica que tinha como foco a exploração sustentável das riquezas naturais, visando colocar em prática as ideias defendidas por Chico Mendes.

Ângela Mendes acredita que os avanços na educação dos povos da floresta são um dos resultados positivos da política.

Família de agricultores. Foto: Fábio Pontes/ BBC BrasilCrianças têm mais acesso a escolas, mas mais educação pode acabar esvaziando meio rural

“Somente na reserva Chico Mendes temos 52 escolas, algumas até com o ensino médio. Em 25 anos foram mais de 18 mil pessoas alfabetizadas. Se levarmos em consideração que até 1980 a grande maioria dos seringueiros e seus filhos era analfabeta, nós tivemos um grande avanço”, diz.

Mas o economista da Universidade Federal do Acre (Ufac) Carlos Estevão observa que a alfabetização dos seringueiros produz o efeito de saída de seus filhos de dentro da floresta.

“Como eles passaram a estudar mais, se qualificar, muitos não querem viver no seringal e vão para as cidades. É possível em algumas décadas a floresta estar despovoada”, analisa Estevão.

Recuperando o extrativismo

Do ponto de vista econômico, nos últimos 15 anos, desde a chegada do PT ao governo do Acre, o Estado tentou ressuscitar a economia extrativista.

Uma das ações adotadas nesse sentido foi o manejo madeireiro com a concessão de grandes áreas de floresta para a exploração de madeira por empresas privadas, além de outros planos de manejo comunitário, feito pelos próprios moradores.

Com a borracha e a castanha-do-pará tendo pouca rentabilidade, o principal produto explorado passou a ser a madeira.

Números de 2012 do IBGE apontam que o Acre produziu 647 mil metros cúbicos de toras, com rendimento de R$ 47 milhões. A borracha, por outro lado, teve produção de 327 toneladas, somando R$ 1,2 milhão. A madeira é o segundo produto de exportação do Estado, atrás somente da carne de gado.

No entanto, analistas questionam se a estratégia adotada pelo governo acriano de fato tem trazido benefícios para a maior parte dos moradores da floresta.

“Um reduzidíssimo grupo de lideranças sindicais foi ‘assimilada’ pelo bloco de poder e obteve, sim, melhorias nas suas condições de vida via remunerações pela prestação de serviços”, diz o sociólogo Elder Andrade de Paula, que esteve ao lado de Chico Mendes em seu movimento de resistência.

“Todavia, para a grande maioria que necessita viver de seu próprio trabalho nos campos e florestas, as carências fundamentais permanecem.”

‘Economia verde’

Amigo de Chico Mendes e governador do Acre entre 1999 e 2006, o hoje senador Jorge Viana (PT) reconhece que problemas ainda existem, mas “não se pode negar que mudanças significativas ocorreram na vida dos povos da floresta”.

Viana considera que o conceito de floresta como ativo econômico foi concebido a partir da bandeira do líder seringueiro em defesa do extrativismo.

Para ele, o diferencial da militância de Chico não ocorreu só na defesa do “terra, pão e trabalho”, mas pela necessidade de um desenvolvimento econômico diferenciado para a Amazônia.

“Até 1999, 100% da madeira explorada no Acre era de origem ilegal. Agora 90% dela está certificada. Estamos dando valor à nossa riqueza natural, precisamos deixar de olhar a floresta como empecilho e vê-la com propulsor do desenvolvimento”, diz o senador.

Outro sinal de avanço da “economia verde” na terra do líder seringueiro é a venda de créditos de carbono, em troca da preservação da mata. Até o fim de 2012, o Acre já tinha assegurado R$ 107 milhões.

Para Elder Andrade, contudo, estas políticas não resultaram na garantia de renda para quem está dentro das reservas, e a maioria dos moradores da floresta são cadastrados nos programas assistenciais do governo, incluindo o Bolsa Família.

“Jorge Viana ofereceu migalhas com a mão esquerda e com a direita impulsionou a espoliação em larga escala no Acre”, afirma.

Fábio Pontes

De Rio Branco para a BBC Brasil

Fonte:

Deixe um comentário