Barreiras contra bicicletas dificultam o uso

Rafael Ramaldes prefere carregar a bicicleta por questão de segurança (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Rafael Ramaldes prefere carregar a bicicleta por questão de segurança

Pedalar poderia ser uma atividade mais comum na capital do país caso a integração do veículo com outros meios de transporte, como o metrô, fosse facilitada. A falta de estacionamentos para bicicletas, furtos e roubos nas estações, o medo de acidentes no trajeto e outras questões inibem potenciais ciclistas. A constatação vem de uma pesquisa da Universidade de Brasília (UnB), após entrevista com moradores de Samambaia. O estudo comprova que os trens teriam 23% mais usuários se as condições de transporte fossem mais atrativas. Hoje, eles levam quase 11 mil passageiros por dia na cidade analisada. Com uma frota de 32 vagões, o metrô conduz em média 130 mil pessoas diariamente.


O levantamento embasa uma tese de doutorado do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UnB. A autora, Mariana Paiva, ouviu, em um mês, 328 pessoas na região administrativa localizada a cerca de 30km do Plano Piloto. A maioria usaria a bicicleta como forma de integração com os trens se se sentisse mais segura e tivesse as condições ideais para se locomover sobre duas rodas pelas vias do Distrito Federal. A estudiosa conclui que a mobilidade vai muito além das obras que facilitam o trânsito de motos, carros, ônibus e caminhões. E aponta as bicicletas como uma das melhores saídas. O DF tem 227.997 bicicletas, segundo a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) de 2011, da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan).

Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário