Bancorbras, o SUS do trade turístico

Sou proprietário de três títulos da Bancorbras, a agência de viagens chancelada pelo Banco do Brasil. Em tese, teria direito a me hospedar em centenas de hotéis da rede credenciada em várias partes do mundo durante 21 dias por semestre.
Mas o verbo fica sempre no condicional, uma vez que a Bancorbras dificilmente consegue atender às minhas solicitações nos momentos que mais necessito. E isto voltou a ocorrer esta semana.
No domingo (24), precisei fazer uma viagem, que não estava prevista, ao interior de Minas Gerais, com retorno na quarta-feira (27). Como o voo estava marcado para a manhã, seria necessário dormir no Rio de Janeiro, onde embarcaria de volta a Brasília.
Assim, desde segunda-feira (25) passei a solicitar a reserva de um apartamento na Cidade Maravilhosa. E aí começou mais uma suplício devido aos maus serviços da Bancorbras.
Para começar, o cliente paga para a agência não fazer o serviço de agência. Ela disponibiliza a sua rede de hotéis pelo site e cabe ao cliente indicar à Bancorbras o estabelecimento onde pretende hospedar-se. A partir daí, a Bancorbras tem 24 horas para consultar o hotel e responder se foi confirmada ou não a solicitação.
Foram exatas três tentativas negadas. Mas duas delas haviam sido confirmadas previamente pelos hotéis indicados por mim e depois negadas à agência. O resultado foi que, mesmo tendo crédito de várias diárias na Bancorbras, precisei, mais uma vez, pagar a conta com meu cartão de crédito (veja fac-simile da nota fiscal nesta página).
E por que isto acontece? Simples: a Bancorbras vende mais títulos do que as vagas que tem a oferecer aos seus clientes. No hotel (muito ruim, aliás) onde fiquei no Rio de Janeiro, a Bancorbras já chegou a contratar 35 diárias por quinzena, e hoje tem apenas 15. Ou seja, à medida que ela aumenta sua carta de clientes, reduz o número de vagas disponíveis.
A pergunta que se impõe é uma só: por que a Bancorbras não faz, de fato, o serviço agência de viagens. Seria muito mais simples o cliente ligar para a central, solicitar uma reserva em seu destino e a Bancorbras informar quais os hotéis disponíveis, cabendo ao cliente apenas decidir onde prefere ficar.
O sistema anacrônico imposto aos donos dos títulos da Bancorbras só pode resultar em decepções como as que eu venho sofrendo nos últimos anos, de pagar por uma facilidade que acaba se tornando em dor de cabeça.
 
Assessoria admite mudar
 
A assessoria de imprensa da Bancorbrás respondeu ao Brasília Capital que a agência não tem como viabilizar a marcação de reservas, a partir da indicação do cliente, mas que já existe um estudo para isso.
A Bancorbrás tem 124.638 associados e conta com mais  de 4 mil hotéis conveniados no Brasil e exterior.
 
Por Orlando Pontes
 
Da Redação

Deixe um comentário