Banco dos Brics

O anunciado banco de desenvolvimento impulsionado pelas potências emergentes do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é apenas um complemento, e não competirá com as instituições ocidentais presentes no mundo, indicou nesta segunda-feira (1/4) o ministro indiano das Finanças, Palaniappan Chidambaram. A criação deste banco pretende estabelecer uma infraestrutura de empréstimos para projetos de desenvolvimento, em paralelo ao Banco Mundial (BM), principal ator neste campo há sete décadas.


Este é um projeto-chave para o objetivo dos Brics de construir alternativas às instituições dominadas pelas potências ocidentais. “O banco do Brics não será um competidor do Banco Mundial ou do Banco Asiático de Desenvolvimento. Será um complemento” de ambos, indicou Chidambaram em uma coletiva de imprensa em Tóquio, onde realiza uma visita de dois dias.


As cinco potências emergentes do grupo Brics concluíram na semana passada uma cúpula de dois dias em Durban (África do Sul) sem concretizar o lançamento do anunciado banco de fomento, embora tenham anunciado o início das negociações com este objetivo. O novo banco pode estar dotado, segundo os estudos, com um capital inicial de 50 bilhões de dólares, ou seja, 10 bilhões por país, em média.

Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário