Acordo de paz entre governo colombiano e as Farc será assinado na segunda-feira

 

El Presidente Juan Manuel Santos y Rodrigo Londoño, jefe de las Farc, acompañados por el Presidente de Cuba, Raúl Castro, exhiben el Acuerdo para el Cese al Fuego y de Hostilidades Bilateral y Definitivo y la Dejación de las Armas.
 Juan Manuel Santos (2º à esquerda) e Rodrigo Londoño (2º à direita) firmaram acordo de cessar-fogo na presença do líder cubano Raúl Castro (C) e do secretário-geral da ONU, do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em junho

O presidente Michel Temer deve participar na próxima segunda-feira (26) da assinatura do acordo de paz entre a Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A solenidade histórica será realizada na cidade colombiana de Cartagena de Índias, oficializará o fim de meio século de conflitos armados no país. 

O acordo será assinado pelo presidente Juan Manuel Santos e pelo principal líder das Farc, Rodrigo Londoño Echeverri, conhecido como Timoleón Jiménez, ou Timochenko, após mais de três anos de negociações. Também devem participar da cerimônia o líder cubano, Raul Castro, assim como os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e do Chile, Michelle Bachelet, países que atuaram como mediadores do diálogo.

No dia 2 de outubro, os colombianos vão participar de um referendo em que a população vai responder se concorda com os termos do acordo que põe fim ao conflito, anunciado em junho e assinado em agosto pelas duas partes.

Partido político – Nesta semana, a guerrilha promove uma conferência com cerca de 200 delegados, também com o objetivo de referendar as negociações e dissolver o grupo como organização armada para que se converta em partido político.

O conflito armado entre as Farc e o Exército colombiano é considerado o mais antigo da América do Sul. Em seus anos de maior atuação, o grupo chegou a cometer sequestros, ataques e assassinatos para defender seus ideais, entre eles a reforma agrária e a criação de um Estado socialista.

Desde 1964, o conflito entre o Exército e a guerrilha já matou mais de 220 mil pessoas na Colômbia. As Farc também integraram a lista internacional de organizações terroristas e chegaram a ter 7,8 mil soldados atuando em florestas e nas fronteiras.

Fonte:

Deixe uma resposta