7º SLOW FILME – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura Local

 De  15 a 18 de setembro  acontece em Pirenopolis o 7º SLOW FILME, Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura Local, com entrada franca, no Cine Pirineus.

cartazSlowFilme2016

 

 Volta às raízes com os pés no futuro

*Sétima edição do festival aposta em projetos de recuperação de tradições visando à sustentabilidade

 *Presença do chef português André Magalhães, premiado pela prestigiosa revista Wine como “Personalidade do Ano na Gastronomia” de Portugal

 *Exibição de 24 títulos, entre curtas e longas-metragens, a grande maioria inédita no País

 *Lançamento no Brasil do projeto “Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria”, com a presença do realizador Tiago Pereira

 *Degustação de vinhos e azeites portugueses, Jerez e produtos do cerrado brasileiro

 *Oficina Cozinha da Reciclagem, com a chef Regina Tchelly, criadora do projeto Favela Orgânica

 * Exposição ‘Natureza Móvel’, no foyer do Cine Pireneus, reúne 22 capas de discos de vinil

 * Participação especial da produtora Silvia Canas de Costa, proprietária da Quinta da Lapa, referência vinícola em Portugal

O conceito do “quilômetro zero” (que propõe o consumo de alimentos que não tenham percorrido grandes distâncias até o consumidor final) e a tradição culinária permeiam grande parte das produções inseridas na programação do SLOW FILME – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA E ALIMENTAÇÃO, que chega à sétima edição em 2016. O evento, único em seu perfil no Brasil, acontecerá entre 15 e 18 de setembro, no Cine Pireneus, na cidade de Pirenópolis, em Goiás. Entrada franca, mediante a retirada de ingresso na bilheteria do cinema.

 Ao longo de quatro dias, serão exibidos 24 títulos, entre curtas e longas-metragens, produzidos em diferentes países, como Espanha, Polônia, Portugal, Reino Unido, Suíça, Peru, Canadá, Japão e, é claro, Brasil, dentre vários outros. Em comum, projetos que recuperam tradições, adaptando-as para o mundo do século XXI ou apenas registrando-as. E reafirmam a importância de aprender com os antigos a respeitar as estações do ano e sua oferta de alimentos, a enxergar a produção regional como fonte generosa de ingredientes para a gastronomia, e a valorizar o conhecimento adquirido como aprendizado para tornar melhor o planeta nos dias atuais.

 O 7º SLOW FILME é uma realização da Objeto Sim Projetos Culturais e do Instituto Pireneus, com curadoria do cineasta e crítico Sérgio Moriconi. Apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás, Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, Governo de Goiás, Prefeitura de Pirenópolis, Secretaria de Cultura de Pirenópolis e Secretaria de Turismo de Pirenópolis. Conta, ainda, com as parcerias do Slow Food Pirenópolis, dos Laboratórios Sabin, das embaixadas da Espanha, França e Suíça e do Instituto Cultural da Dinamarca.

 

 O FESTIVAL

 Vai ser difícil desgrudar os olhos das imagens exibidas em ficções e documentários que integram a grade de programação do SLOW FILME em 2016. Fotografias deslumbrantes caracterizam produções como Noma – Minha Tempestade Perfeita, uma produção do Reino Unido, sobre o chef dinamarquês René Redzepi, um dos mais consagrados da atualidade e seu restaurante Noma, que já foi eleito o número 1 do mundo. Também Jerez, o mistério do “Palo Cortado”, da Espanha, sobre o vinho que é objeto de culto no país; o holandês Retrato de um Jardim, sobre um mestre podador de 85 anos e seus ensinamentos; e Pequena Floresta, do Japão, que mostra a vida de uma jovem cozinheira e sua opção por utilizar os alimentos disponíveis em sua região, durante o outono.

 Belas imagens e conceitos filosóficos distinguem as produções integrantes do projeto norte-americano The Perennial Plate, que será lançado no Brasil durante o festival. O Prato Perene – Aventuras no mundo da comida sustentável é uma premiada série documental, realizada pelo chef e ativista Daniel Klein e pela cineasta Mirra Belas. Os dois viajam pelo mundo, registrando histórias, costumes e personagens ligados ao princípio da sustentabilidade e do comer bem.

 Em 2016, SLOW FILME também fará o lançamento, no Brasil, de dois projetos premiados de Portugal. Trata-se de Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria e de A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, criadas pelo realizador Tiago Pereira, que estará presente ao festival e conversará com a plateia. Serão exibidos episódios da série musical e episódios destinados à culinária, contando também com a presença do chef português André Magalhães, eleito “Personalidade do Ano na Gastronomia” de Portugal, pela revista Wine, e um dos três maiores de seu país, pelo prêmio Mesa Marcada. André Magalhães participa do programa de Tiago Pereira, não só como chef convidado, mas como consultor, e conversará com o público sobre a ideia do projeto, que além de registrar a preparação ancestral de alimentos, convida chefs contemporâneos para fazerem uma espécie de releitura da receita antiga, preparando-a diante da câmera.

 O Brasil estará representado em filmes como Apart Horta, uma ficção-documentário que fala da possibilidade de tornar saudável o alimento cotidiano das grandes cidades,Guardiãs do Queijo Coalho, curta que registra a produção do famoso queijo por sertanejas do interior de Sergipe, e Comer o quê?, que vasculha os hábitos alimentares dos brasileiros, contando com depoimentos de nomes como Alex Atala, Bela Gil e Marcos Palmeira. O diretor de Comer o quê?, Leonardo Brant, conversará sobre o trabalho com a plateia.

 

PALESTRAS E DEGUSTAÇÕES

 Biscoitos, sucos e frutos do cerrado, Jerez, azeite e vinho portugueses produzidos pela empresa Esporão darão sabor às noites de sexta e sábado do SLOW FILME, acompanhados da conversa com produtores, realizadores e chefs. Os encontros e degustações acontecem no pequeno teatro de arena, na área que liga o Cinema ao Teatro Pireneus.

 Na sexta-feira, 16 de setembro, após exibição do longa-metragem Comer o quê?, haverá uma conversa com o diretor do documentário, Leonardo Brant, seguida de um descontraído encontro com a chef Regina Tchelly, criadora do projeto Favela Orgânica. Concebida em 2011, nas comunidades cariocas de Babilônia e Chapéu Mangueira, da zona sul do Rio de Janeiro, a Favela Orgânica é uma iniciativa que visa ensinar a população a aproveitar os alimentos em sua totalidade. Hoje, as oficinas do projeto já circularam pelo Brasil e por alguns países como França, Itália e Uruguai. Regina Tchelly é paraibana, ex-empregada doméstica, e decidiu aproveitar sua experiência em frequentar as xepas das feiras livres para ajudar as famílias das comunidades mais pobres do país a enriquecerem a alimentação, com pequenas mudanças de hábitos. Atualmente, é chef da Rede Terra Madre e possui o buffet Favela Orgânica.

 Logo depois da conversa com Regina Tchelly (que também vai ministrar oficina durante o SLOW FILME, na tarde de quinta e na manhã de sexta-feira), será servido um coquetel de salgados, biscoitos e sucos especialmente preparados pelas cooperativas da Central do Cerrado. A central reúne 35 organizações comunitárias de sete estados brasileiros (MA, TO, PA, MG, MS, MT e GO) que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do cerrado. No local, também será possível adquirir mais informações sobre a Central e alguns produtos que ela representa.

 No sábado, o foco ficará sobre a Península Ibérica. Às 18h, pouco antes da projeção de Jerez – o mistério do Palo Cortado, a plateia poderá degustar o autêntico jerez, servido dentro do Cine Pireneus, para que o espectador se sinta mais próximo ao tema que será tratado na tela. Considerado um cult da Espanha, o vinho tem sabor único e é tido como um tesouro nacional.

 Pouco depois, às 21h, acontecerá o lançamento, no Brasil, do projeto Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar dela Própria, contando com a presença do realizador Tiago Pereira e do chef André Magalhães, e a exibição de episódios da série. O projeto descende de outra série, A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, criada pelo diretor Tiago Pereira para registrar manifestações musicais portuguesas que sobrevivem apenas nos pequenos povoados do país. A iniciativa deu tão certo, que gerou a nova série, contando com o patrocínio da empresa Esporão.

 Tiago Pereira e André Magalhães explicarão como funciona o projeto Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar dela Própria, responsável por recuperar receitas e costumes alimentares de várias regiões de Portugal, atualizando-os a partir de convites a consagrados chefs portugueses contemporâneos para que façam releituras dos antigos pratos.

 Também estará no local a produtora Sílvia Canas da Costa, gestora da vinícola Quinta da Lapa, uma das mais celebradas de Portugal. Ela promete falar um pouco da produção da quinta, fundada por Dom Lourenço de Almeida, em 1733, depois de ter sido governador de Pernambuco e de Minas Gerais (inclusive, foi Dom Lourenço quem transferiu a capital de MG para Ouro Preto). Em seguida, o público poderá degustar vinhos e azeites produzidos pela empresa Esporão, uma das mais importantes do país, e patrocinadora do projeto.

 

 André Magalhães é o taberneiro-mor da Taberna da Rua das Flores, celebrado restaurante de Lisboa, e escreve sobre gastronomia e vinhos para várias publicações portuguesas e internacionais. É membro de diversos concursos de vinhos e azeites e dá aulas no Mestrado de Ciências Gastronômicas da FRCT/ISA. Também é membro ativo do movimento Slow Food em Portugal e da Confraria dos Enófilos e Gastrônomos de Trás-os-Montes e Alto Douro.

 

  Tiago Pereira é realizador, documentarista, mentor e coordenador do projeto A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, vencedor do Prêmio Megafone 2010. Tem desenvolvido um trabalho de registro de manifestações da cultura imaterial (como música, rituais, performances, receitas), buscando novas abordagens à cultura popular e ao tradicional. Entre os filmes que dirigiu, destacam-se os premiados “11 Burros Caem no Estômago Vazio” (2006) e “Quem canta seus Males Espanta” (1998) e o recente “Porque não sou Giacometti do Séc. XXI (2015). Em parceria com Silvio Rosado, criou o projeto musical “Sampladélicos”, reunindo tradição e tecnologia numa complexa mistura de passado, presente e futuro. Em 2015 foi considerado o “Homem do Ano” na categoria “Música” pela revista GQ.

 

  Sílvia Canas da Costa é filha do proprietário da Quinta da Lapa, José Costa, que adquiriu a vinícola de quase 300 anos em 1989. A gestora tem sido responsável pela produção de vinhos premiados e situados entre os melhores de Portugal.

 

 Na mesma noite de sábado, serão oferecidas também para degustação variedades de queijos de cabra produzidos pela fazenda Recanto das Águas (a 100 km de Brasília), de propriedade do jornalista e produtor Armando Rollemberg. No local, Armando produz quatro tipos de queijos de leite de cabra, identificados pela grife Cabra Chic: montanhês, frescal, meia cura e boursin. O jornalista-produtor estará presente ao Festival e apresentará seu trabalho. Exemplares dos produtos poderão ser adquiridos.

 

 EXPOSIÇÃO

 Sob a curadoria de Sérgio Moriconi, estarão expostas, no hall do Cine Pireneus, 22 capas de discos de vinil como parte da exposição Natureza Móvel. Nas imagens, um percurso da relação do homem com a natureza, segundo explica o curador: “É uma construção por espelho: à primeira imagem de uma flor sob o azul celeste do céu, seguimos até a imagem derradeira da flor encapsulada um ambiente asséptico e sem vida; ao voo livre dos pássaros (segunda imagem) se contrapõe uma vassoura ante um ambiente vegetal (penúltima imagem) denunciando a presença do homem; à faina dos agricultores sobre a pilha de feno, se opõe a sinistra figura (a morte?) do indivíduo com a foice no trigal. Entre essas três dicotomias mencionadas, a faina do homem, a domesticação da natureza, os enlatados, as ilustrações da banana e da Coca-Cola de Andy Warhol (a natureza como metáfora pop) – simbolizando, no contexto da exposição, o descolamento do homem da natureza. Por fim, os efeitos perversos da industrialização, antecipados, em contraponto, com as representações dos enlatados”. Para Moriconi, Natureza Móvel é outra forma de expressar um dos conceitos que norteiam o SLOW FILME e também outro modo de perceber “a música” que embala a nossa contemporaneidade.

 

 PROGRAMAÇÃO

 QUINTA-FEIRA, 15.09

Abertura oficial

19h00Apart Horta (55min)

 SEXTA-FEIRA, 16.09

15h00O Prato Perene (Chá para dois – 3’57) + O ADN do Ceviche (85min)

16h30Brasa (7’) + Noma – Minha Tempestade Perfeita (95min)

18h30O Prato Perene (O mel de Kars, 4’30) + Mais que Mel (91min)

20h30 Guardiãs do queijo coalho do sertão (14min) + Comer o quê? (60min)

Sessão seguida de conversa com o diretor Leonardo Brant e com Regina Tchelly Freitas, criadora da Favela Orgânica.

Coquetel /degustação Central do Cerrado

 SÁBADO, 17.09

14h45Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (Flores do Alentejo – Vindo eu de longe ao longe) + O Sonho de Sônia (14min) + Caracóis (30min)

16h00 Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (Adélia Garcia – Só nós dois é que sabemos) + Retrato de um Jardim (98min)

18h00 Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (Paisagem sonora: Manuel Augusto dos Santos – Chamamento de rebanho) + Jerez – O mistério do Palo Cortado(88min) 20h00O Prato Perene: O Conto de duas coberturas (5’35) + Caçadores de Trufas (4’45) + Há somente café (4’32)+ Um ato de resistência (4’03)

20h30Lançamento, no Brasil, do projeto Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar dela Própria, com a presença do realizador Tiago Pereira e do chef André Magalhães.Exibição dos episódios Torricado (7’) + Cataplana de Litão do Rio Formosa (6’30) + Túberas com molho amarelo

Encontro com a plateia e degustação de vinhos e azeites Esporão, com queijos da grife Cabra Chic, produzidos pela fazenda Recanto das Águas, de Armando Rollemberg. Participação especial da produtora Silvia Canas da Costa, proprietária da Quinta da Lapa, referência vinícola em Portugal.

 DOMINGO, 18.09

15h00O Prato Perene (Com Sentido, 7’08) + Retorno a Yarasquin (35min)

16h15 – Pequena Floresta (60min)

18h00 Vamos todos para Larzak (118min)

 

 ATIVIDADES PARALELAS

Gratuitas e abertas ao público em geral.

 15/09/2016 das 14 às 17hs.

OFICINA XEPA: COZINHA DA RECICLAGEM E DO AMOR para merendeiras das escolas de Pirenópolis e comunidade. Elaboração de receitas sem desperdício, filmes, brincadeiras e boas conversas com REGINA TCHELLY e JUSSARA DUTRA.

Local: a definir.

Entrada livre

 

16/08/2016 das 9 às 12hs

OFICINA XEPA: COZINHA DA RECICLAGEM E DO AMOR para merendeiras das escolas de Pirenópolis e comunidade. Elaboração de receitas sem desperdício, filmes, brincadeiras e boas conversas com REGINA TCHELLY, JUSSARA DUTRA e CENTRAL DO CERRADO.

Local: Universidade Estadual de Goiás

Entrada livre

 REGINA TCHELLY – Cozinheira da reciclagem. Fundadora do Favela Orgânica, projeto que  tem como objetivo modificar a relação das pessoas com os alimentos, evitar o desperdício, cuidar do ambiente e combater a fome de forma prática, a partir do Ciclo do Alimento: Consumo Consciente, Compostagem Caseira, Hortas em Pequenos Espaçose Gastronomia Alternativa (Aproveitamento Total dos Alimentos)

 JUSSARA DUTRA: Coordenadora do GT de Pesquisa em Culinária do RS e Chefe de Cozinha do Palácio Piratini de 2011 a 2014. Líder do Convívio Slow Food Sul/ Porto Alegre. Psicóloga e Gastrônoma. 

 CENTRAL DO CERRADO: Central de cooperativas, estabelecida com diversas organizações comunitárias de sete estados brasileiros que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado. Além de promover a divulgação e inserção dos produtos comunitários de uso sustentável do Cerrado nos mercados regionais, nacional e internacional, a Central do Cerrado serve também como centro de disseminação de informações, intercâmbio e apoio técnico para as comunidades na melhoria dos seus processos produtivos, organizacionais e de gestão.

 

 18/09/16, às 12h30

ALMOÇO PREPARADO PELO CHEF ANDRÉ MAGALHÃES – O célebre chef português, que comanda a culinária da Taberna da Rua das Flores, em Lisboa, considerado um dos melhores restaurantes de Portugal, vai preparar um menu especial em homenagem ao SLOW FILME. O almoço será realizado no Restaurante Montserrat, de propriedade do prestigiado chef catalão Juan Pratginestós.

Número limitado de participantes.

Local: Restaurante Montserrat, em Pirenópolis

Horário: a partir das 12h30

Reservas: [email protected]

Preço: a definir

 

SINOPSES

 

A MÚSICA PORTUGUESA A GOSTAR DELA PRÓPRIA

Projeto do realizador Tiago Pereira, que visa recuperar e dar visibilidade a verdadeiros patrimônios vivos da tradição oral de Portugal, pouco conhecidos ou já esquecidos. Em vídeos curtos estão registros de cantigas, romances, contos, músicas e danças, apresentados por personagens que habitam o interior do país e detêm o conhecimento ancestral.

 

APART HORTA (Brasil, 55min, 2015, ficção-documentário)

Dir. Cecília Engels

Roteiro: Cecília Engels

Elenco: Sidney Santiago, Angela Côrrea, Eduardo Silva, Luciana Paes

A baiana Nazaré vai a São Paulo pela primeira vez para visitar seu irmão Natanael, que vive na cidade há oito anos. Natanael tem um estilo de vida voltado ao trabalho, ao passo que Nazaré vive uma relação muito mais saudável com as pessoas, a natureza e a alimentação. Com a chegada da irmã, Natanael passa a levar para o trabalho uma marmita com comida muito mais saudável feita pela irmã. É no trabalho que ele vai se aproximar de sua colega Cátia. Os dois se apaixonam. Em casa, Natanael vive sobressaltado com as novidades que a irmã apronta. Pois é justamente no prédio onde Natanael mora com a irmã que uma grande revolução vai acontecer.

 

BRASA (Espanha, 7min, 2015, documentário)

Dir. Xabi Gutiérrez Márquez

Roteiro: Xabi Gutiérrez Márquez, Juan Vich, Pello Gutiérrez, Ander Fernández

O cozinheiro Xabier Gutiérrez, o pintor Juan Vich, o músico Ander Fernández e o realizador Pello Gutiérrez são artistas de diferentes áreas que reinterpretam um conceito a partir de uma premissa: a brasa. Cada um deles expõe sua visão dos materiais, cores, sonoridades, sensações. Brasa, o filme, é também uma obra para despertar a sensibilidade do espectador. Ninguém aqui é um peixe fora d’água, nem mesmo o realizador. Xabier trabalha no laboratório do restaurante Arzak, escreveu vários livros de cozinha e, recentemente, lançou um livro de suspense, O Aroma do Crime, também ambientado no universo da gastronomia.

 

CARACÓIS (The Snails, Polônia, 2015, 30min, documentário)

Dir. Grzegorz Szczepaniak

De olho no crescente sucesso da criação de escargots – exportados para a França, Itália, China e Japão -, dois amigos poloneses, Andrzej e Konrad, decidem criar seu próprio negócio no ramo. Para isso, contam com a assessoria preciosa de Grzegorz Skalmowski, apelidado de “o rei dos escargots” devido à expertise acumulada. Mas os escargots, apesar de tão lentos, não são criaturas de tão simples manejo. E a empreitada acaba tendo um caráter também existencial e até filosófico.

 

COMER O QUÊ? (Brasil, 2015, 60min, documentário)

Dir. Leonardo Brant, com a colaboração de Caio Amon, Graziela Mantoanelli

Roteiro: Caio Amon, Graziela Mantoanelli e Leonardo Brant

Pesquisa: Graziela Mantoanelli

A comida define nossa identidade? Quais os benefícios dos alimentos orgânicos? Será que nossos hábitos alimentares influenciam a distribuição de renda ou as condições ambientais do nosso planeta? Essas e outras perguntas são exploradas em COMER O QUÊ? Personagens como Alex Atala, Bela Gil, Helena Rizzo, Josimar Melo, Neka Menna Barreto, Marcos Palmeira, Márcio Atalla, Roberto Smeraldi, Fabiolla Duarte, Cláudia Visoni e outros convidam o espectador para um mergulho na gastronomia e nos hábitos alimentares dos brasileiros. Agronegócio, nutrição, economia, gastronomia, saúde também estão no cardápio do filme.

 

ESPORÃO & A COMIDA PORTUGUESA A GOSTAR DELA PRÓPRIA (PORTUGAL)

Realização e montagem: Tiago Pereira

Consultoria: André Magalhães

Levantamento etnográfico da gastronomia portuguesa e um olhar contemporâneo sobre algumas receitas. Depois do sucesso do projeto A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, o diretor Tiago Pereira uniu-se à empresa Esporão, produtora de vinhos e azeites da região do Alentejo, em Portugal, para apresentar, em vídeos, receitas tradicionais de várias regiões do país, que se mantiveram vivas graças à tradição oral. Algumas delas são reinterpretadas por chefs portugueses consagrados, como o próprio chef André Magalhães.

 

 ESPORÃO & A COMIDA PORTUGUESA A GOSTAR DELA PRÓPRIA – TORRICADO

Uma comida rústica da zona rural da província do Ribatejo é preparada por um camponês da região de Azambuja. Pão de trigo, “toiras”, “forcado”, alho, sal, azeite, uma postinha de bacalhau ou, na falta dele, um bocado de azeitonas.

 ESPORÃO & A COMIDA PORTUGUESA A GOSTAR DELA PRÓPRIA – CATAPLANA DE LITÃO DO RIO FORMOSA

Cataplana é uma espécie de panela típica do Algarve, formada por duas partes côncavas que se fecham. Considerado o “bacalhau dos pobres”, o Litão da região do Algarve, em Portugal, é um pequeno tubarão, consumido depois de ser aberto, salgado e seco ao sol, podendo ser guardado por alguns meses. A pele seca, por ser muito abrasiva, era antigamente utilizada como lixa. Seu consumo está ligado à forte tradição pesqueira da cidade de Olhão. Um dos mais conceituados chefs portugueses, André Magalhães prepara uma “cataplana” de Litão, introduzindo na receita algas do Rio Formosa.

 

 ESPORÃO & A COMIDA PORTUGUESA A GOSTAR DELA PRÓPRIA – TÚBERAS COM MOLHO AMARELO

Na Aldeia de Sete, em Castro Verde, no Alentejo, o senhor Isidro (um apanhador de túberas), o cozinheiro Jacinto Fatana e o chef André Magalhães ensinam como funciona a apanha de túberas, espécie de trufa muito abundante nesta região de Portugal. Eles preparam Arroz de ‘Tubras’ com alho e coentros e Túberas com Molho Amarelo.

 

GUARDIÃS DO QUEIJO COALHO DO SERTÃO (Brasil, 2013, 14min, documentário)

Argumento e produção: Sônia de Souza Mendonça Menezes

Direção, edição e câmera: Rita Simone

Resultado de um projeto de pesquisa financiado pelo CNPq e pela Universidade Federal de Sergipe apresenta o modo de vida de mulheres sertanejas dos municípios de Monte Alegre de Sergipe, Porto da Folha e Nossa Senhora da Glória. A tradição e a sustentabilidade na produção artesanal do queijo coalho e sua relevância para a comunidade e a economia local.

 

JEREZ – O MISTÉRIO DO “PALO CORTADO” (Jerez & el mistério del Palo Cortado, Espanha, 88min, 2015, documentário)

Dir. José Luis López-Linares

Durante o século XIX, o Jerez foi o primeiro produto de exportação da Espanha. Um vinho que muitas pessoas associavam à qualidade e que era especialmente popular nas casas do Reino Unido. Esse êxito levou a uma superprodução e, consequentemente, a uma baixa de qualidade. Nesse processo, dezenas de especializações, assim como toda uma cadeia produtiva ligada à produção do Jerez, foram desaparecendo. No novo século, o Jerez está a ponto de voltar a ser objeto de culto. Para as novas gerações, este vinho tão singular e misterioso não é apenas a fruta e sua fermentação, mas também o peculiar sabor de um lugar onde – diz a mística – “os deuses foram convidados a conhecer e, enfim, encontraram o seu lar”.  

 

MAIS QUE MEL (More Than Honey, Suíça, 2013, 91min, documentário)

Dir. Markus Imhoof

Roteiro: Markus Imhoof e Kerstin Hoppenhaus

Em menos de quinze anos, dentre 50% a 90% das abelhas desapareceram do globo terrestre. Os agrotóxicos e eventuais predadores contribuem certamente para o fenômeno, mas nada justifica uma queda tão brusca no número destes insetos. O documentário investiga a responsabilidade dos homens no desaparecimento das abelhas, lembrando que, sem a polinização feita por elas, até 80% das frutas e legumes podem sumir da face da Terra. Mesmo Einstein já tinha dito que, sem esses animais, o ser humano sobreviveria no máximo quatro anos.

 

NOMA – MINHA TEMPESTADE PERFEITA (Noma – My Perfect Storm, Reino Unido, 95min, 2015, documentário)

Dir. Pierre Deschamps

Roteiro: Pierre Deschamps

Elenco: René Redzepi

Extraordinária jornada através do pensamento singular de René Redzepi, o mais consagrado chef da atualidade. O filme nos faz compreender como ele conseguiu revolucionar todo o mundo da gastronomia, inventando o alfabeto e o vocabulário que suscitaram toda uma nova mentalidade na cozinha nórdica, e estabelecer um novo mundo gastronômico ao mudar radicalmente a imagem do chef moderno. Sua história parece um clássico conto de fadas: o patinho feio transformado em cisne majestoso da moderna cozinha gourmet. Mas sob a superfície polida, rachaduras aparecem na forma de velhas feridas. 2013 permanece como o pior ano da carreira de René Redzepi. Seguimos então sua luta de volta ao topo, reinventando o NOMA e recuperando o título de melhor restaurante do mundo, em 2014, pela quarta vez.

 

O ADN DO CEVICHE (L’ADN du Ceviche, Canadá, 85min, 2015, documentário)

Dir. Orlando Arriagada

Roteiro: Louis-François Grenier

Na última década, o Peru conquistou o mundo com sua engenhosa, saborosa e diversa gastronomia. Restaurantes da culinária do país são uma verdadeira coqueluche. E a estrela dessa revolução é sem dúvida o ceviche, um preparo de pescado cru marinado em limão, acompanhado de pimenta, batata-doce, mandioca e milho. Percorrendo a costa norte do Peru, a região amazônica e a capital, Lima, este documentário explora os aspectos históricos, culinários, ambientais e sócio-políticos desse prato originário das regiões litorâneas, preparado e consumido no Peru em sua forma ancestral desde a época pré-colombiana.

 

 O PRATO PERENE – AVENTURAS NO MUNDO DA COMIDA SUSTENTÁVEL (THE PERENNIAL PLATE – ADVENTURES IN SUSTAINABLE EATING)

O Prato Perene – Aventuras no mundo da comida sustentável é uma premiada série documental norte-americana, realizada pelo chef e ativista Daniel Klein e pela cineasta Mirra Belas. Os dois viajam pelo mundo, registrando histórias, curiosidades e toda a complexidade do alimento sustentável, recuperando tradições e valorizando a boa comida.

 

 O PRATO PERENE – CHÁ PARA DOIS (SRI LANKA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

O que seria um filme sobre os pequenos produtores de chá do Sri Lanka transformou-se numa história de amor, depois que a equipe do programa conheceu a relação entre o pequeno produtor de chá Piyasena e sua esposa Ariyawatha. Uma história sobre amor e dedicação entre os campos de chá do Ceilão.

 

 O PRATO PERENE – O MEL DE KARS (TURQUIA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

O leste da Turquia é famoso pelo mel puro que produz. O néctar vem apenas das flores das montanhas selvagens e às abelhas caucasianas nunca é dado açúcar para aumentar a produção. Mas essa abelha e sua forma de vida estão ameaçadas pela chegada de abelhas não-nativas e pela comercialização em larga escala.

 

O PRATO PERENE – O CONTO DE DUAS COBERTURAS (CHINA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

Como agricultores urbanos de Pequim e Hong Kong inovam em sua produção nas fazendas situadas em telhados, bem no meio das cidades.

 

O PRATO PERENE – CAÇADORES DE TRUFAS (ITÁLIA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

Os moradores de Marche, na Itália, sempre comeram trufas. O local é considerado o centro de trufas da Itália. A equipe acompanha um caçador de trufas, seu cachorro e seu revendedor, num dia de busca por este alimento precioso.

 O PRATO PERENE – HÁ SOMENTE CAFÉ (ETIÓPIA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

Considerada o berço do café no mundo, a Etiópia produz alguns dos melhores. O filme é uma declaração de amor ao café, ao trabalho árduo para produzi-lo e à importância das pequenas fazendas e cooperativas.

 

O PRATO PERENE – UM ATO DE RESISTÊNCIA (MÉXICO)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

Chocolate não é apenas um doce deleite. É alimento rico em história e espiritualidade. Mas, infelizmente, perdeu seu lugar na agricultura e na produção mexicanas. Esta é uma história sobre trazê-lo de volta às raízes.

 

O PRATO PERENE – COM SENTIDO (ARGENTINA)

Realização: Daniel Klein e Mirra Belas

Mate é a bebida nacional da Argentina, apreciada desde os povos indígenas. Agora, sua produção tem sido responsável pelo desmatamento do norte da Argentina. Guayaki e Alex Pryor estão querendo mudar isso, levando a planta de volta a seu ambiente nativo. O filme fala sobre a bebida, seu lugar no mundo e a cultura que ela partilha.

 

 O SONHO DE SONIA (El sueño de Sonia, Peru, 14min, documentário)

Dir. Diego Sarmiento

Roteiro: Álvaro Sarmiento e Diego Sarmiento

O filme é inspirado na protagonista, em sua história, paixão e empenho. Sonia Mamani vive em Capachica, um dos 15 distritos da Província de Puno. Nesse lindo lugar, uma península cujas costas são banhadas pelo Lago Titicaca, ela se dedica, desde os quinze anos de idade, à cozinha. O reconhecimento de seu talento a levou a participar, como expositora, de importantes festivais culinários, como o Mistura, da capital Lima, em 2012. Sua culinária peculiar, seu carisma, suas vestimentas, chamaram a atenção daqueles que lutam pela visibilidade e sobrevivência da comida e das identidades regionais.

 

 PEQUENA FLORESTA – VERÃO & OUTONO (Little Forest – Summer & Autumn, Japão, 60min, 2015, ficção)

Dir. Jun’Ichi Mori

Roteiro: Jun’Ichi Mori

Elenco: Ai Hashimoto, Mayu Matsuoka, Yôichi Nukumizu

Exibição do episódio dedicado ao Outono, segunda parte do primeiro filme do projeto do diretor Junichi Mori que, em dois longas-metragens, percorre as quatro estações do ano. A jovem Ichiko vivia numa grande cidade, mas decide retornar a sua pequena cidade natal, Komori, situada numa montanha na região de Tohoku, no Japão. Auto-suficiente, Ichiko encontra energia e prazer vivendo junto à natureza, cultivando e comendo alimentos que ela mesma prepara, usando ingredientes locais de cada estação do ano.

 

RETORNO A YARASQUIN (El Camino de Regreso a Yarasquin – The Way Back to Yarasquin, Estados Unidos/Honduras, 35min, documentário)

Dir. Sarah Gerber

Roteiro: Sarah Gerber

 A jornada de uma mulher para se reconectar com suas origens em Honduras, sua inabalável determinação em capacitar sua comunidade rural para o trabalho com o principal produto local: o café. Mayra Orellana-Powell reconhece a necessidade de quebrar o ciclo vicioso de empréstimos predatórios contra os pequenos agricultores, consolidando, assim, a sustentabilidade econômica da comunidade. Contra todas as expectativas, Mayra cria um grupo de agricultores locais que melhoram o custo-benefício de seus produtos, resultando em lucros duplos e triplos para os trabalhadores. A capacitação da comunidade faz crescer o sentimento de orgulho dos agricultores e, como consequência, uma responsabilidade maior por parte dos consumidores.

 

RETRATO DE UM JARDIM (Portrait of a Garden, Holanda, 98min, documentário)

Dir. Rosie Stapel

Roteiro: Daan Van Der Have, Dorine de Vos e Rosie Stapel

Em uma histórica horta de uma propriedade holandesa, um mestre podador de 85 anos e um jardineiro cuidam dos arranjos de galhos em um muro. Enquanto trabalham, conversam sobre comida, o clima e uma infinidade de outros assuntos do mundo. Durante todo esse tempo, compartilham seus conhecimentos sobre horticultura. Rodeados por plantas, árvores cítricas, um laranjal histórico, pomares e uma exuberante vinha, dividem sua paixão e seus conhecimentos sobre quais seriam os ingredientes básicos para o sucesso de uma grande horta. Eles cuidam por mais de quinze anos de um caramanchão de pêra e se perguntam se ele vai “fechar” e ficar belo como de costume. O jardineiro jovem escuta, absorto, esse velho mestre que se preocupa com a possível perda de um conhecimento secular.

 

 VAMOS TODOS PARA LARZAC – O NASCIMENTO DA LUTA ECOLÓGICA (Tous au Larzac, França, 118min, 2011, documentário)

Dir. Christian Rouaud

Em 1971, o governo francês anunciou o alargamento de um campo de treinamento militar em Larzac, um planalto rural do sudoeste, e a expulsão de centenas de pequenos agricultores do local. As lutas pelo direito à terra e por um mundo desmilitarizado levaram milhares de pessoas a se juntarem em manifestações, acampamentos, confrontos com a polícia e marchas em tratores até Paris. Tous au Larzac conta a história desta incrível luta mítica que durou dez anos. Os personagens incluem, entre tantos outros, o indefectível José Bové, Pierre Bonnefous, Christiane Burguère, protagonistas de uma jornada inesquecível, repleta de situações cômicas e emocionantes, levada adiante por indivíduos determinados a combater o exército e as forças da ordem com inteligência, imaginação e solidariedade.

 

Fonte:

Deixe uma resposta